¿De qué planeta viniste?

“Quantas pessoas, na história da humanidade, foram tão boas em suas respectivas atividades quanto foi Diego jogando bola?”

Imagem: O Partisano
por Frederico Bernis

– Meu filho, vem ver aquele jogador que você gosta!
– Qual, mãe?
– Aquele que você diz que não cai.

Contribua com O Partisano - Catarse dO Partisano

Eu era criança e pra mim ele era apenas “aquele jogador que não cai”. Quem viu Maradona jogar a Copa de 86 sabe muito bem do que eu tô falando. Tem jogador que parece satisfeito, quase vitorioso, quando obriga o adversário a derrubá-lo com uma falta. Com Maradona era o contrário: sofrer a falta era para ele uma derrota, como se a falta o humilhasse. E assim simplesmente não a aceitava. 

“El Pibe de Oro” conduzia a bola em alta velocidade enquanto zagueiros belgas de dois metros e vinte de altura o recebiam com pancadas inimagináveis numa adaptação futebolística do corredor polonês. O argentino de 1,65m tropeçava, ameaçava cair, cambaleava e desafiava a gravidade para, ao final, seguir em altíssima velocidade com a bola ainda colada aos pés. Outro piscar de olhos: gol! Os defensores, atônitos, chegavam a cogitar abater Maradona a tiros, visto que no embate físico puro e simples sucumbiam miseravelmente. 

Mas como assim tanto talento? E mais: de onde vinha aquela força? O histórico confronto com a seleção inglesa na Copa de 86 aponta uma hipótese: o futebol, para Maradona, muito mais que uma simples competição esportiva, era oportunidade de redenção, a chance de reparar humilhações sofridas e devolver ao derrotado a autoestima do vencedor.

Vingança

Senão, vejamos: o embate se deu apenas 4 anos após a derrota argentina para os britânicos na Guerra das Malvinas. E, se numa guerra a Argentina pouco podia diante da imensa superioridade bélica dos britânicos, nos gramados do México Maradona usaria o futebol para se vingar. Vem daí o gol com a mão. “La mano de diós” foi uma desobediência civil, um artifício pra mostrar que faria tudo que estivesse ao seu alcance pra reverter no coração argentino aquele sentimento engasgado de derrota. 

Leia também:  Da edição dos sonhos | por Sergio Rocha

E depois há o momento sublime, o lance bárbaro, o maior gol da história das Copas. Maradona parte com a bola desde o campo de defesa e vai enfileirando ingleses, que tentam pará-lo a todo custo com as mais variadas bordoadas. Em vão. El Pibe segue furioso com a bola em direção à meta, assimilando todos os golpes, a bola grudada ao pé esquerdo. Todo mundo já viu esse lance centenas de vezes, mas aquele que abre mão de relembrá-lo mais uma vez está morto por dentro. 

Voltemos ao lance. Maradona segue em sua jornada rumo ao gol antológico. Durante o longo percurso, atravessa a defesa adversária, vai destruindo a infantaria britânica, humilha Margaret Thatcher. Por fim, o drible no goleiro, o toque para o gol vazio e só então, vejam bem, só então, Maradona se permite cair. O contato com o chão dura pouco e em menos de um segundo o gênio já está de pé, com o punho erguido para celebrar a vitória. Dentro das limitações do futebol, amenizou ali a humilhação de seu povo, um sentimento que ficou eternizado nas palavras do locutor argentino Victor Hugo Morales, que narrou o gol colossal:

“Es para llorar, perdónenme.
Maradona, en una corrida memorable,
en la jugada de todos los tiempos!
¿De qué planeta viniste?
Para dejar en el camino a tanto inglés,
para que el país sea un puño apretado,
gritando por Argentina.
Gracias Dios, por el fútbol,
por Maradona, por estas lágrimas,
por este Argentina 2 – Inglaterra 0.”

Em sua autobiografia “Eu sou El Diego”, publicada no ano 2000, Maradona escreve: “Foi mais do que vencer um time de futebol. Derrotamos um país. Dissemos que o esporte nada tinha a ver com as Malvinas, mas sabíamos que, na guerra, morreram muitos argentinos, baleados como pássaros. Aquilo era a vingança”.

Leia também:  no dia em que perdi meu melhor amigo | por Helena Arruda

Napoli

Se Maradona foi épico, vingativo e inesquecível defendendo as cores da Argentina, o que dizer então de sua passagem pela Itália? Veja bem, Maradona chega a Nápoles e encontra um time que jamais havia vencido um campeonato italiano, jamais havia conquistado um título europeu. Nada. Mais do que isso, encontra no sul da bota um povo e uma torcida que sofrem imensa discriminação dentro da Itália, principalmente por parte dos rivais do norte. Eis aí novamente a fórmula explosiva: Maradona vestindo a camisa dos menosprezados.

Com Maradona no time, o até então desiludido Napoli conquistou o que jamais havia sequer sonhado. Suas atuações ali foram furiosas, assombrosas e renderam ao clube 2 inéditos campeonatos italianos, o primeiro título europeu na Copa da Uefa, dentre outras conquistas. Há que se entender o tamanho desse feito, pois ajuda a explicar a dimensão de Maradona. Um clube fundado em 1926 que colecionava 60 anos de derrotas e que, como num passe de mágica, começa a vencer tudo. O mago Diego libertou o Napoli.

Posso estar idealizando? Sim, posso estar. E digo mais: provavelmente estou. Mas o fato é que a mim parece claro que Maradona se motivava em dobro quando o futebol lhe permitia usar seu imenso talento para reparar injustiças históricas. Foi assim na apoteótica exibição contra os ingleses no México, foi assim na sua histórica e vitoriosa passagem pelo Napoli.

Política

Sua trajetória fora de campo referenda essa hipótese. Carregava em si a infância pobre na Argentina e a humilhação da Guerra das Malvinas. Talvez por isso sempre tenha se posicionado politicamente contra os muito poderosos. No futebol, denunciava a corrupção dos dirigentes engravatados da FIFA e defendia que o esporte fosse comandado pelos próprios atletas. 

Leia também:  Deus│por Helena Arruda

Na política, foi incansável crítico da interferência de grandes potências internacionais nos governos da América Latina. Ostentando orgulhosamente sua tatuagem de Che Guevara e os charutos cubanos, declarou solidariedade aos líderes sul-americanos Fidel Castro, Evo Morales, Hugo Chávez, Lula e Dilma, mantendo-se firme em suas opiniões mesmo sendo alvo de fortes críticas. Não era fácil derrubar Don Diego.

Infelizmente, acabou derrubado pela dependência química. Primeiro a cocaína e depois o álcool causaram-lhe graves problemas que se acumularam desde os tempos em que era atleta no Napoli. Primeiro vieram as punições da FIFA, as suspensões e a proibição de jogar futebol. Depois, começaram os crescentes problemas de saúde, culminando com o seu falecimento ontem, dia 25 de novembro, curiosamente a mesma data em que nos deixou seu amigo Fidel Castro.

Ofício da bola

Maradona foi uma mistura perfeita de espetáculo e competição, magia com vontade de vencer. A meu ver, é demasiado reducionista a tentativa de compará-lo a outros esportistas ou jogadores de futebol. Proponho analisar Diego sob a ótica do homem e seu ofício. Imaginem, num tempo qualquer, um marceneiro produzindo uma cadeira, um arquiteto projetando um edifício, um médico examinando o paciente. Quantas pessoas, na história da humanidade, foram tão boas em suas respectivas atividades quanto foi Diego jogando bola? 

Contribua com O Partisano - Catarse dO Partisano

Algum leitor poderá concluir que exagero. Discordo, caro leitor. Exagerado foi ele.

Um comentário

Deixe uma resposta