E se o mundo não acabar?

Quem estará nas trincheiras ao teu lado?
‐ E isso importa?
‐ Mais do que a própria guerra.

Ernest Hemingway

Há uma possibilidade aterradora em tempos de pandemia: a de o mundo não acabar. Enquanto muitos alimentam esperanças de novos dias, a sociedade pode continuar igual, com a diferença de que será necessário mais repressão para que tudo continue na mesma merda. O vírus revelou que o mundo anda mal, mas a constatação disso não fará nada por si só.

Além do apocalipse sanitário, temos Bolsonaro. Para os sortudos que continuarem vivos, será preciso seguir em frente. Em tempos de ímpetos censores e floodagem robótica generalizada, a conquista de espaço na discussão pública é diária. Essa é a trincheira d’O Partisano. Por liberdade de expressão.

Mais um portal de esquerda? A Internet aboliu a privacidade e o celular é a ágora moderna. Basta abrir as redes sociais e estamos “nas ruas”. E a rua é a pátria do rebelde. Hoje, os terraplanistas da política dominam essas ruas metafóricas, e ainda disputam as grandes avenidas com suas manifestações. Talvez seja necessário preparar barricadas com papel higiênico, álcool em gel, e ir à luta. De máscara. Revidar o bombardeio de fake news dos grupos de zap com informação, sem cagação de regra e com humor.

A las barricadas!