A talhos de esquadro: a fotografia de Joana França em Brasília

“Em certo sentido, cabe ao fotógrafo de arquitetura recuperar na imagem construída o traço do arquiteto que a projetou”

Clube da Aeronáutica, Milton Ramos, 1975. Imagem: Joana França
por Danilo Matoso

Joana França é brasiliense, arquiteta e fotógrafa. Não necessariamente nessa ordem: são atributos entrelaçados que se refazem, uns aos outros. Explico. Ela nasceu em Brasília, mas se fez brasiliense nas milhares de fotos que fez da cidade desde que se lançou nesse ofício há cerca de dez anos. Na mesma época, pouco antes, ela se formara em arquitetura — ofício de seus pais — e foi como arquiteta que se fez fotógrafa. Uma boa fotógrafa: certamente, hoje, uma das primeiras opções dos arquitetos para registrar suas obras.

Contribua com O Partisano - Catarse dO Partisano

Seu interesse pela fotografia surgiu ainda no curso de Arquitetura e Urbanismo da FAU-UnB, quando da passagem do fotógrafo alemão Michael Wesely pela Capital em 2002. Formada em 2003, oscilou entre diversas atividades da arquitetura até 2011, quando estudou no International Center of Photography e retornou resolvida a se dedicar exclusivamente à fotografia.

Ministério da Justiça – Palácio Raymundo Faoro, Oscar Niemeyer. Jardins e esculturas de Burle Marx, 1970, 1962-1972. Imagem: Joana França

Entre 2005 e 2006, trabalhamos juntos no projeto da sede da FHE. Desde então, nos tornamos amigos. Em 2011, editamos Brasília: roteiro de arquitetura, caderno de notas. É um caderno de bolso em que constam autores, endereços, datas e fotos em preto e branco de mais de 250 obras de arquitetura na cidade. Naturalmente, as fotos foram encarregadas a Joana que, junto ao designer Ricardo Theodoro, optou pelo formato quadrado – algo especialmente conveniente na era do Instagram.

Leia também:  Academia: do hermetismo ao ostracismo

A série do Roteiro, por sua abrangência e unidade, nos permite vislumbrar algumas das características próprias da fotografia de arquitetura em geral e do trabalho de Joana em particular.

A fotografia de arquitetura é parte de um processo cultural determinado. A publicação das obras construídas por meio de fotos, junto aos desenhos originais e um texto explicativo é necessária aos arquitetos não apenas como uma maneira de conseguir mais trabalhos, mas também de dialogar com o restante do campo profissional. As fotos são parte da documentação que, multiplicada à exaustão, amplifica o valor cultural da obra (de outra maneira vista somente por aqueles com condições de visitá-la). Em certo sentido, cabe ao fotógrafo de arquitetura recuperar na imagem construída o traço do arquiteto que a projetou. Essa retificação do desenho, se podemos chamá-la assim, implica determinadas relações entre as margens retas como as de uma folha de papel, as verticais dos edifícios cortando a talhos de esquadro a força da gravidade, as horizontais feitas a régua paralela a multiplicar em pavimentos a planta de rés-do-chão.

Leia também:  Planaltina: tomba uma casa, apaga-se nossa memória
Ministério das Relações Exteriores – Palácio do Itamaraty, Oscar Niemeyer. Colaboração: Olavo Redig de Campos e Milton Ramos. Jardins, terraços e tapeçaria de Burle Marx, 1965, 1959-1970(i). Imagem: Joana França

Joana entende essas questões perfeitamente, e isso é fundamental nessa série cujo objetivo é identificar centenas de edifícios de uma cidade e — por que não dizê-lo — identificar a cidade por meio da arquitetura que conforma seu traçado. Em cada um dos quadradinhos de 2,5cm X 2,5cm, ela foi capaz de escolher o ângulo, a luz, o enquadramento, capazes de dar a conhecer um edifício tanto em sua geometria ampla quanto nos detalhes de seu invólucro. É uma tarefa de síntese e de escolha: há edificações que só podem ser compreendidas como massas construídas, enquanto outras se caracterizam por um detalhe, um elemento, uma fachada.

Contribua com O Partisano - Catarse dO Partisano

Por ocasião do 60º aniversário de Brasília, o Conselho Federal de Arquitetura e Urbanismo do Distrito Federal (CAU/DF) viabilizou a terceira edição do Roteiro – disponível gratuitamente na sede do órgão. Os que o tiverem em mãos poderão apreciar na íntegra esse notável trabalho de Joana, além da excelente arquitetura da Capital.

Leia também:  Coroavírus: os idosos rebeldes anti-quarentena
Universidade de Brasília, UnB – Faculdade de Educação, Alcides da Rocha Miranda. Colaboração: José Manoel Lopes da Silva, Luís Humberto Pereira e Alex Peirano Chacon, 1962. Imagem: Joana França
Edifício Sônia, Nauro Jorge Esteves, 1960. Imagem: Joana França
Edifício Serra Dourada, César Barney, 1974. Imagem: Joana França
Edifício Oscar Alvarenga, José Carlos de Godoy, 1967. Imagem: Joana França
Edifício Dona Ângela, José Carlos de Godoy, 1970. Imagem: Joana França
SQS 210 bloco C, Marcílio Mendes Ferreira e Takudoo Takada, 1976-1978(i). Foto: Joana França
Clube da Aeronáutica, Milton Ramos, 1975. Imagem: Joana França
Universidade de Brasília, UnB – Restaurante Universitário, José Galbinski. Colaboração: Antônio Carlos Moraes de Castro e Ernesto Walter, 1969-1974(i). Imagem: Joana França
Tribunal de Contas da União – Anexos, Oscar Niemeyer, João Filgueiras Lima, Fernando Andrade e Adriana Filgueiras Lima, 1993. Imagem: Joana França
Santuário Dom Bosco, Carlos Alberto Naves Vasconcelos, Richard Lima, Gutemberg de Almeida Rezende. Paisagismo: Burle Marx (1969), 1964. Imagem: Joana França
Departamento Nacional de Produção Mineral, José Francisco Mendes del Peloso, 1972. Imagem: Joana França
Distribuidora Brasileira de Veículos, Disbrave (Sede e acréscimos 1 e 2), João da Gama Filgueiras Lima. Paisagismo: Alda Rabello, 1965/1975/1985. Imagem: Joana França
Universidade de Brasília, UnB – Faculdade de Estudos Sociais Aplicados, Matheus Gorovitz e Maurício Azeredo, 1982(i). Imagem: Joana França

Um comentário

Deixe uma resposta