O líder marxista que vacinou toda a população de seu país

Nos anos 80, Thomas Sankara dava uma aula ao mundo e às organizações burguesas sobre como fazer uma campanha de vacinação eficaz e coerente

Imagem: reprodução
por Coletivo Pensar a História

Em 4 de agosto de 1983, o revolucionário marxista Thomas Sankara assumiu a presidência de Burkina Faso (então chamada Alto Volta) e, rapidamente, implementou uma série de programas, medidas e reformas que operariam transformações sociais inéditas no continente africano. Uma das prioridades de Sankara era a reestruturação do sistema de saúde do país e a criação de programas visando erradicar as epidemias que castigavam a população burquinesa. A primeira grande ação do Conselho Nacional da Revolução, em matéria de saúde, foi uma grande campanha de imunização chamada “Comando de Vacinação”, conduzida pelo farmacologista Abdoul Salam Kaboré, ministro da Saúde de Burkina Faso.

Contribua com O Partisano - Catarse dO Partisano

O “Comando de Vacinação” foi um dos programas de imunização mais bem sucedidos do continente africano e se tornou um modelo replicado pela Organização Mundial da Saúde em países subdesenvolvidos. A campanha era ousada: previa a vacinação de todas as crianças burquinesas com idades entre 0 e 14 anos contra sarampo, meningite e febre amarela. Chamada pelo governo burquinês a colaborar, a OMS chegou a duvidar da viabilidade de tal operação. Burkina Faso era um dos países mais pobres da África e sofria já há 15 anos com uma seca prolongada que aumentou ainda mais o flagelo social entre os despossuídos do país. A taxa de mortalidade infantil burquinesa – 150 mortes por mil nascimentos – era uma das maiores do mundo à época e o país quase não tinha centros médicos e infraestrutura que permitissem uma operação de imunização em larga escala.

Leia também:  A dança | por Fernanda Noal
Um cartaz da campanha “Comando de Vacinação” e adultos sendo imunizados em Burkina Faso, em 1984.

A taxa de imunização das crianças burquinesas era inferior a 5%, uma das menores do planeta. Em função disso, as epidemias castigavam o país. A taxa de letalidade da meningite chegava a 11% e o sarampo causava metade das mortes das crianças com menos de quatro anos. Malgrado o tamanho do desafio, o governo revolucionário seguiu com a ambiciosa operação. A campanha foi precedida por um abrangente estudo comportamental da população e pela criação de um comitê interministerial para implementar uma abordagem multidisciplinar e multissetorial. Também foram criados comitês de vacinação regionais e distritais, além de elaborar listas de crianças que deveriam ser imunizadas. Foram publicados guias para profissionais de saúde, professores e pais, enquanto os militares criaram uma estratégia logística para transporte dos insumos.

Os Comitês de Defesa da Revolução convocaram civis para montar a infraestrutura necessária e mobilizar a população a aderir à vacinação. A campanha foi anunciada em outdoors e cartazes espalhados por escolas, bares e prédios públicos. Foram criados materiais informativos e encenadas peças de teatro sobre a importância da imunização. As redes de televisão e estações de rádio emitiam comunicados em todas as línguas locais conclamando a população a comparecer aos centros médicos para imunizar suas crianças. Países como Cuba, China e Coreia do Norte e organizações como OMS, UNICEF e Cruz Vermelha deram apoio logístico e financeiro para a campanha.

Leia também:  Flor de sal | por Mell Renault

Em 25 de novembro de 1984, quando os centros de saúde foram abertos para dar início a vacinação, já havia filas gigantescas de populares com seus filhos aguardando pacientemente. Muitas pessoas vieram dos vilarejos mais distantes e isolados – até mesmo de países vizinhos. O governo decidiu não apenas imunizar as crianças, mas também os adolescentes e jovens adultos que os acompanhavam. Quase todos os centros médicos precisaram requisitar mais vacinas, pois o comparecimento foi bem acima do esperado.

A campanha de vacinação durou três semanas e foi um sucesso, elevando a taxa média de imunização de menos de 5% para mais de 80% – um dos maiores índices de imunização já registrados no continente africano até então. O sucesso da campanha surpreendeu os órgãos sanitários internacionais, que passaram a replicar a experiência burquinesa em outros países de baixa renda. O Comando de Vacinação continuou sendo realizado anualmente nos anos seguintes, adicionando novas vacinas, como o imunizante para poliomielite, expandindo cada vez mais seu alcance. Em 1986, o país vacinou quase 100% das crianças com menos de 5 anos. A ampla imunização permitiu ao governo controlar as epidemias de sarampo, febre amarela e meningite, liberando recursos para a compra de ambulâncias e reestruturação do sistema de saúde, que fora recentemente universalizado.

Contribua com O Partisano - Catarse dO Partisano

Em 1987, setores reacionários das forças armadas burquinesas, em conluio com os serviços secretos dos Estados Unidos e da França, orquestraram um golpe de Estado e assassinaram Thomas Sankara, encerrando o governo revolucionário de Burkina Faso. O país, desde então, passou a registrar graves retrocessos nos esforços de imunização. Os Comandos de Vacinação foram praticamente esvaziados e menos de uma década depois, em 1998, a imunização despencou de quase 100% para 29,3%. Como consequência, o país voltou a ser assolado por epidemias que já estavam quase erradicadas ao fim dos anos oitenta.

Leia também:  Caminho | por Deborah Dornellas

Deixe uma resposta