Fabrício Queiroz, como chegamos até aqui?

Bolsonaro age como um malandro de subúrbio, um jogador de máquina de caça níquel. Ele acha que esconder um miliciano é fácil como fazer um gato de luz

Imagem: A laranja podre
por Vinícius Carvalho

Bolsonaro está mais perdido que o meio-campo do Brasil, e aquele frangueiro – o pior goleiro da história das seleções brasileiras de todos os tempos – o JÚLIO CHESTER, estavam no dia do 7×1. Primeiro a trolhada no Weintraub, agora é o Queiroz. Dória tá jogando soltinho igual o Khedira, Witzel igual o Schweinsteiger, Alexandre de Morais já virou o artilheiro, Klose e o Celso de Melo mais carismático que o Lukas Podolski. Presidente Bolsonaro, se o senhor quiser 2 metros de corda para se enforcar, eu te vendo.

Contribua com O Partisano - Catarse dO Partisano

Só que isso é fruto da arrogância e da certeza de impunidade que o Bolsonaro acha que tem. Eu sempre digo: Bolsonaro age como um malandro de subúrbio, um jogador de máquina de caça níquel. Ele acha que esconder um miliciano é fácil como fazer um gato de luz.

A PORRA DO QUEIROZ ESTAVA ESCONDIDO NA CASA DO ADVOGADO DA FAMÍLIA BOLSONARO. ISSO É TÃO CRIMINOSO, TÃO RIDÍCULO, QUE EU ME PERGUNTO COMO ESSE CARA FOI ELEITO. ALIÁS, EU SEI COMO FOI E VOU FALAR AQUI.

Agora… por que as merdas que eu escrevo sobre política, a princípio parecem absurdas, mas na semana seguinte acontecem? Porque além de me amarrar em política desde novo (apenas isso não bastava, várias pessoas amam política mas só falam merda), eu fui FORJADO na Baixada Fluminense. Ou seja:

EU SOU DE ESQUERDA MAS TENHO O MESMO RACIOCÍNIO DE MILICIANO.

Misturo perfeitamente o “SEM PERDER A TERNURA JAMAIS” do Che Guevara, com o “TÔ COM SAUDADE DO TEU RABO” do Pastor Marcos Pereira. Tu só vê merda a vida toda, você já sabe como essa galera age e, o mais importante, você sabe exatamente o que faz pessoas como o Bolsonaro sofrerem. Por isso eu acho risível quando vejo alguém de esquerda chamando o Bolsonaro de fascista, racista e misógino, no intuito de atacá-lo. Ele vai dar risada, porra. Porque ele é tudo isso mesmo.

Leia também:  Arder, queimar, gritar | por Felipe Mendonça

É igual me chamar de comunista. Pra essa gente comunismo é uma ofensa, para mim não é. ¯\_(ツ)_/¯

Eu sei que vocês são “ilumunistas”, mas infelizmente não estamos lidando com gente normal. Você não tem como responder um processo anti-político com política e civilidade. O Bolsonaro só reconhece a linguagem da baixaria. Enquanto a esquerda quer chamar o Bolsonaro de “bananão”, eu quero ofender a honra da sua esposa. PORQUE É ISSO QUE ELE ENTENDE, É ISSO QUE O OFENDE, É ISSO QUE O FAZ SOFRER.

Sei que militantes feministas me atacariam se eu tivesse algum cargo de poder, porque eu faria exatamente isso. Mas é isso aí, paciência. Infelizmente combater o fascismo requer atropelar alguns ritos, cruzar algumas fronteiras e ferir algumas suscetibilidades. O que tem que ser feito, tem que ser feito.

O que acontece nos dias de hoje, é que se você fizer política para agradar a todos do seu campo (tem gente regulando e problematizando até alguns termos que você utiliza – e, apesar de correto, as vezes, simplesmente, não é o momento), você simplesmente não conseguirá atingir algum resultado. E isso não é sem querer, é o objetivo. Porque a nova esquerda não acredita em vitórias eleitorais, eles acham que a vitória se dá por pequenas vitórias das militâncias organizadas. É a teatralidade e a semiologização total da esfera pública.

Eu presenciei uma tentativa de construção de FRENTE AMPLA CONTRA O FASCISMO (eleitoral, coisa séria) ser implodida porque uma pessoa (que não vou citar o nome) que simplesmente quis problematizar os termos utilizados do documento, e se recusou a assinar o mesmo porque precisaria de mais tempo para analisar a filosofia e o conceito contido em algumas frases, termos como “liberdade”, “eleição”, e etc. Essa pessoa tinha aliados na “platéia”, que imediatamente começaram a atacar os outros presentes. A Frente Ampla morreu ali com gente séria sendo enxotado da reunião porque argumentou contra.

Leia também:  Parindo na quarentena

Eu não faço política mais com essa gente. Eu os tenho como meus inimigos hoje porque tenho certeza que se um dia eu sair candidato à algo eles serão os primeiros a me atacar. Eu sou militante deste partido desde que me entendo por gente e filho de um dos fundadores do PT, mas hoje, eu teria MUITO PROBLEMA em ser candidato a algo pelo PT. Pois seria mais atacado internamente pelas fofocas e mais esfaqueado pelas costas pelas igrejinhas internas, do que externamente pela direita.

Mas voltando. Tava na cara que a única forma de você dar uma resposta ao Bolsonaro após o seu aparelhamento da Polícia Federal, seria usar as polícias civis para chegar no seu elo mais fraco: o Queiroz. Eu faria mais, eu ia no Queiroz e na filha dele, que era funcionária fantasma do gabinete do Bolsonaro. Mas já deixava na gaveta uma quebra o sigilo da Michele Bolsonaro.

Por exemplo, eu tava assistindo esse final de semana a série daquele criminoso lá de Oklahoma, que traficava animais selvagens, tigres e etc, o JOE EXOTIC. E, em determinado momento da série, eu comecei a ficar assutado comigo mesmo, porque absolutamente todas as merdas que eu pensei, “se eu fosse esse tal de Joe Exotic, eu faria exatamente isso agora” aí o cara ia lá e PIMBA, fazia exatamente aquilo.

Em março ou abril de 2018 eu fui convidado para participar do lançamento de uma pré-campanha de um deputado federal. Lá, na análise de conjuntura com a rapaziada, eu alertei e bati na tecla sobre o perigo Bolsonaro, porque o Bolsonaro era favorito mesmo aparecendo com 7% nas intenções de voto. Um militante desses que se fantasiam de Sem Terra (tendo muita terra, diga-se de passagem) começou debochar, aplicou a carteirada da idade, de que ele “militava e conhecia política há 40 anos”, que o Bolsonaro era um doidão, um fenômeno só entre moleques como eu e etc e deu a família Le Pen, da França, como exemplo.

Leia também:  Expiração | por Deborah Dornellas

Eu apenas disse que Brasil não é França. Na França não haviam 60 mil mortes por arma de fogo por ano, e que o mote da campanha aquele ano seria, claramente, a violência urbana. Aí, quando você fala de violência urbana numa reunião de esquerda o que as pessoas fazem?

ACHAM QUE VIOLÊNCIA URBANA É APENAS VIOLÊNCIA POLICIAL E ENVIESAM TODO O CARALHO DO DEBATE. É IMPOSSÍVEL TENTAR DEBATER ALGO SÉRIO NUMA REUNIÃO DE ESQUERDA HOJE, PORQUE O MILITANTE NÃO DESCANSA, ELE QUER LACRAR A TODO MOMENTO.

E tripudiam do povo que ODEIA ser assaltado em ponto de ônibus, que o maior terror de qualquer subúrbio do país hoje é você chegar em casa a noite, numa rua escura e ver DOIS CARAS NUMA MOTO. Mas a questão aqui é, agora é só apertar o Queiroz direitinho que ele solta tudo. Como aquele velho ditado de subúrbio, quando você vê um cara dando uns amassos numa menina em alguma parede, “AEEE APERTA QUE ELA PEIDA”.

Contribua com O Partisano - Catarse dO Partisano

Espero que o Witzel deixe o Queiroz no lugar MAIS SEGURO do Rio de Janeiro, esse cara tem que ficar vivo e saudável para contar tudo.

Deixe uma resposta