Engenheiro civil! For-ma-do! Melhor que você!

A fala “Cidadão não, engenheiro civil, formado, melhor do que você” ecoa nas redes e mostra mais uma vez a pequenez da classe média brasileira

Imagem: Os formandos
por Vinícius Carvalho

“Cidadãumm nãumm, engenheiro …..civil, for-ma-do, melhor que você”, e na hora do “melhor que você” ainda falou balançando a cabecinha.

Contribua com O Partisano - Catarse dO Partisano

Eu conheço esses trejeitos, eu conheço esse balanço corporal, o diabo é sábio não porque é inteligente, mas porque é velho, e eu venho de longe. Essa mulher apesar de estar na BARRA DA TIJUCA deve mesmo é ser oriunda de CAXIAS… agora, existe alguma dúvida acerca de quem esse casal votou? Se sou eu perguntava se ele se formou na mesma universidade que o ex-ministro Decotelli, a Universidade do Sobe e Desce que fica no número que desaparece.

Isso me lembrou uma vez quando um PM, lá em Cabo Frio, no carnaval de 2002, cujo nome costurado na lapela era GONÇALVES (lembro até hoje porque foi inesquecível), foi truculento contra um grupo de playboys, e como eu odeio playboy mais que tudo, ali naquele episódio torci pela violência policial. O PM mandou o maluco abaixar o som do carro que parecia um trio elétrico porque a vizinhança estava reclamando e ali era bairro residencial (um GOLF Turbo). O maluco, com um Nike 12 molas, bermuda da Redley e um abadá do BABADO NOVO meteu assim pro PM, “abaixar é o caralho, eu sou da BARRA rapá, você sabe quem é meu pai?”

Leia também:  Parindo na quarentena

O PM, um negão gordão, abriu as duas mãos e APLICOU um UM TELEFONE no maluco (deve estar dando linha no ouvido dele até hoje piiiiiiiiiiiiiiiiiii), sem choro nem vela, e meteu:

“Eu sou da ESTRADA DO CATONHO caralho! E se nem você sabe quem é teu pai, não sou eu que vou saber”

O Sargento – com pigarro, voz de fumante e uma guia marrom no pescoço – ainda apontou pra mim e falou “porra, aquele neguinho magrelinho ali tá na disciplina e vocês aí fazendo merda…ooo MENÓ, tu é da onde?”, meti, “Caxias”. Aí o PM, “tá vendo aí, a rapaziada da Baixada é muito mais educada, só tenho trabalho com playboy.”

Leia também:  A mim de mim | por Fernanda Noal

Era um ano de esperança. 2002 foi um dos anos mais incríveis do país e ali o Brasil tinha uma sociedade civil organizada e vicejante. O país estava irreconhecivelmente inteligente, em outubro daquele ano elegeríamos o Lula, e, de alguma forma, eu sinto que foi aquele TELEFONE que gerou um EFEITO BORBOLETA no universo que ajudou o país a eleger o seu primeiro operário.

Ali naquela batalha, eu tenho certeza que o PM, pela “guia” que estava usando, votou na BENEDITA, no IVANIR DOS SANTOS, EDSON SANTOS E NO LULA e o playboy votou no JOSÉ SERRA, no ARTUR DA TÁVOLA, NA SOLANGE AMARAL e no JÚLIO LOPES. E me lembrou o casal que falou essa merda, essa frase aí. E tudo isso para ter direito a se expor ao coronga numa aglomeração na Barra. Provavelmente ainda estavam no tal de BAR DO OSWALDO, cujo dono é um cara que, além de horroroso é um bolsominion asqueroso.

Leia também:  Sempre| por Felipe Mendonça

O mais sinistro no caso desse casal é que eles tinham cara de ex-pobre. E eu sei o que é cara de pobre porque eu sou um, a gente se reconhece de longe. É que nem Xiita e Sunita, eu posso estar visitando o LOUVRE, que eu sei quem ali é de Caxias, de Vista Alegre, Irajá, Acari e Cordovil. É o novo rico, o fudido que ascende e pra tentar ser aceito no novo meio de convívio se torna mais reacionário que a elite cafona local.

Contribua com O Partisano - Catarse dO Partisano

Mas o que eu quero perguntar é: DÁ PRA DEFENDER?

Deixe uma resposta