A semente do engajamento brotou novamente

Dois anos atrás a gente tava na rua por desespero, hoje foi por esperança: falamos COM as pessoas e não PARA as pessoas, construindo pontes e não púlpitos

Imagem: Irina Qiwi
por André Marabesi

Sei lá o que vai acontecer em algumas horas, mas mesmo que não seja uma vitória imediata, tem uma semente maravilhosa que foi plantada em São Paulo durante o último mês.

Contribua com O Partisano - Catarse dO Partisano

Boulos/Erundina trouxeram de volta o tesão em fazer política na gente e mostraram que é possível falar sério sem ser sisudo o tempo todo. Acho que desde 2002 eu não sentia essa vontade das pessoas de se engajar, explicar as propostas, conversar com quem tá perto com uma comunicação não-violenta mesmo, só mostrando que mesmo sem ruptura é possível uma cidade mais humana.

Leia também:  Estamos vestidos com as roupas e as armas de George

A gente amadureceu muito de 2018 pra cá. Dois anos atrás a gente tava na rua por desespero, hoje foi por esperança. Talvez inspirados pela chapa formada por dois freirianos colocamos em prática a teoria de adaptar a comunicação ao público, e não o contrário. Falamos COM as pessoas e não PARA as pessoas, construindo pontes e não púlpitos.

Fico esperançoso por ver o Tatto e o Orlando na rua, conversando com a população, virando voto. Esperançoso pela recepção das pessoas nas panfletagens, as palavras de incentivo de quem não pôde fazer esse trabalho mas contribuiu da sua maneira, pelo engajamento espontâneo de quem pediu adesivos e panfletos com propostas pra entregar aos amigos ou familiares, ajudando a tornar conhecido um programa de governo construído a muitas mãos, derrubando pré-conceitos sobre um militante social e mantendo acesa a possibilidade de eleger uma chapa de ativistas.

Contribua com O Partisano - Catarse dO Partisano

O mesmo pras militâncias que engoliram muito ressentimento e foram pra rua pelo Boulos num gesto de grandeza, colocando a cidade acima da fidelidade partidária. Que a gente carregue essa lembrança de que mais do que necessário, é possível desatar esse nó de 2018 pra mudar mentes e votos. De novo, sei lá se foi suficiente porque o buraco é bem fundo. Mas a gente no mínimo chegou mais perto da borda.

Deixe uma resposta