Volta, Nocaute!

Diante dos monopólios da comunicação e do mecanismo de difusão de mentiras montado pela extrema-direita, não podemos perder os sites de esquerda

Volta, Nocaute!
Imagem: O Partisano
por William Dunne

No último sábado, dia 1º, dois portais da imprensa alternativa encerraram suas atividades. O Conversa Afiada, fundado por Paulo Henrique Amorim, e o Nocaute, blog do escritor e jornalista Fernando Morais. O Conversa Afiada sobreviveu à morte de seu fundador durante um ano. Paulo Henrique Amorim morreu em julho do ano passado vítima de um ataque cardíaco, aos 76 anos. Enfrentou centenas de processos judiciais em sua luta por liberdade de expressão. No texto de despedida do site, que manterá no ar os 10 anos de publicações feitas até hoje, o editor Leonardo Miazzo afirma que “a equipe teve de lidar 24 horas por dia, 7 dias por semana com o peso de uma ausência irreparável – porque, afinal de contas, há sim pessoas insubstituíveis”.

Contribua com O Partisano - Catarse dO Partisano

Já no caso do Nocaute, no ar desde 2016, Fernando Morais anunciou pelo canal do blog no YouTube que teria que encerrar as atividades por causa de uma queda no financiamento da estrutura que mantinha o site funcionando. “A perda dos poucos anúncios que recebíamos e a queda na arrecadação tornaram impossível organizar um orçamento mínimo”, lamentou o escritor. O criador do Nocaute chamou atenção para o fato de que seu blog já alcançava 400 mil pessoas por mês, comparando com os menos de 300 mil exemplares que os grandes jornais impressos da burguesia têm, somadas as suas tiragens.

Leia também:  Da varíola ao Covid-19, a guerra biológica contra os indígenas

Cenário adverso

O fim do Nocaute é mais um elemento de um cenário adverso para a esquerda no Brasil. Há uma batalha comunicacional em curso em que a extrema-direita tomou a dianteira há algum tempo. Apesar do desmantelamento da máquina bolsonarista de fake news pelo STF, o bolsonarismo já está montando, segundo fontes ouvidas por este portal, um novo mecanismo de difusão de conteúdo, dessa vez, no entanto, composto por profissionais. Com orçamento do Estado, a extrema-direita pode substituir o time que surgiu de forma mais improvisada durante a campanha de 2018 por uma equipe mais preparada, numerosa e dotada de uma estrutura melhor.

Agora, além de toda a força dos grandes monopólios da comunicação, como a Globo, a esquerda tem que lidar com as redes bolsonaristas de desinformação. De um lado, o PiG (Partido da imprensa Golpista, termo cunhado por Paulo Henrique Amorim) consegue falsificar a realidade de forma sutil, graças ao volume de informações que produz e distribui, enganando o público por meio da seleção de que notícias terão mais destaque e que ênfase darão para cada uma. Por outro, a rede de mentiras da extrema-direita falsifica a realidade usando métodos de manipulação nas redes sociais, simulando movimentos espontâneos na Internet que na verdade são orquestrados (e caros).

Leia também:  Trump: "se contar os votos legais, eu ganhei"

Diante desses mecanismos diversos da direita forjados para a manipulação em massa, o desafio da esquerda para revelar a verdade, que corresponde aos interesses da maioria do povo, defendendo melhores condições para os trabalhadores, direitos democráticos e a soberania nacional, tornou-se maior do que quando a oportunidade de regular a mídia foi perdida durante os governos do PT. Portanto, no momento em que todos perdemos o Nocaute, deveríamos estar dando boas vindas a mais e mais sites de esquerda, para se contrapor à avalanche de mentiras da direita. Os blogs e portais de esquerda são agora uma necessidade do embate político.

A solidariedade é um valor incompatível com o projeto da extrema-direita para o Brasil. Pessoas solidárias não podem compactuar com o desmantelamento dos direitos dos mais pobres, mesmo que não sejam afetadas diretamente. Por isso a extrema-direita precisa estimular o “cada um por si e Deus por todos”. A relativa apatia diante do número de vítimas da Covid-19 mostra que a extrema-direita está tendo, em grande medida, sucesso nesse embate cultural. De modo que ser solidário é uma forma de resistência no quadro atual. E isso vale para o caso muito concreto do fechamento do Nocaute, que vivia de financiamento coletivo. Talvez a solidariedade no meio da esquerda possa trazê-lo de volta.

Contribua com O Partisano - Catarse dO Partisano

Até a volta

Em sua despedida, Fernando Morais encerrou dizendo: “Até a volta”. Segundo informações de Ricardo Kotscho, ele agora está escrevendo uma biografia do ex-presidente Lula, e pretende retomar o Nocaute “se a tempestade passar”. Espero que a tempestade passe e que o Nocaute consiga se manter com o apoio de seus leitores, de forma que possa manter sua independência e seu funcionamento. A arma de toda a esquerda para que se chegue a esse desfecho é a solidariedade. Uma imprensa independente é fundamental neste momento, pela defesa dos interesses dos trabalhadores frente aos patrões e do Brasil frente ao imperialismo. “A verdade não pode beijar a lona.

Um comentário

  1. Pensando no consórcio nordeste: “A união entre os nove estados prevê o desenvolvimento em diversos projetos, além da parceria econômica, política, infraestrutural e educacional entre as unidades federativas. O Consórcio Nordeste deve atuar em dez pontos principais.(14/03/19 G1)” – talvez fosse o momento também da comunicação da esquerda, a exemplo co consórcio dos governadores do nordeste, pensarem em um consórcio forte na comunicação reunindo ideias e elaborando um projeto imbatível de financiamento das redes progressistas, com gestão regionalizada e captação de recurso bem eficiente e eficaz. Acredito que nenhum site como nocaute e conversa afiada teria que fechar suas edições mais. É só pensar em unir solidariedade, ação e verdade. A rede progressista é imensa.

Deixe uma resposta