População paraguaia pede renúncia do presidente

Em função desses acontecimentos, o ministro da saúde, alvo inicial dos manifestantes, renunciou ao cargo

por Alexandre Lessa da Silva

A população paraguaia foi às ruas nesta sexta-feira (5) para pedir a renúncia do presidente Mario Abdo Benítez, aliado de primeira hora de Jair Bolsonaro. Benítez, que pertence a um partido conservador e nacionalista, o Partido Colorado, também é muito criticado no país por suas relações com a ditadura paraguaia. Seu pai, Mario Abdo, foi secretário particular do ex-ditador Alfredo Stroessner.

Contribua com O Partisano - Catarse dO Partisano

Em 24 de maio de 2019, Benítez passou por maus momentos, chegando até ser ameaçado de impeachment pelo Congresso daquele país, em função da assinatura de um acordo, muito vantajoso somente para o governo brasileiro, sobre a energia produzida por Itaipú, uma usina binacional. Como resultado, Brasil e Paraguai acabaram por anular o acordo e, assim, livrar o paraguaio do risco de impeachment.

Leia também:  O que começa engraçado, termina desgraçado

Os motivos para a revolta dos paraguaios, segundo os jornais locais, são a enorme crise sanitária, semelhante à brasileira, a corrupção do governo e a situação da educação. Pouco antes das 18 horas, uma multidão estava reunida na rua Paraguayo Independiente, nas imediações do Congresso Nacional, em Assunção. A manifestação foi convocada usando a hashtag #EstoyParaElMarzo2021 e inflamada pela falta de medicamentos básicos para o enfrentamento da COVID-19 em hospitais de todo o país.

Houve um grande confronto, com vários feridos, entre a polícia e os manifestantes. Em função desses acontecimentos, o ministro da saúde, alvo inicial dos manifestantes, renunciou ao cargo, e, agora, a multidão pede a renúncia do presidente.

Contribua com O Partisano - Catarse dO Partisano

Após o confronto dos manifestantes com a polícia, passou a existir uma espécie de trégua, mas os manifestantes continuam nas ruas e pedindo a renúncia do aliado de Bolsonaro.

Deixe uma resposta