O STF não é diferente do resto do Judiciário

A mesma desconfiança saudável que existe sobre a atuação dos políticos deve estar presente contra juízes e promotores, que sequer são eleitos para exercer o poder

Imagem: Bigjom Jom
por Bruno Machado

Motivações não técnicas para indicações de ministros do Supremo, viés político de decisões dos magistrados do STF e até suspeitas de corrupção envolvendo ministros de tribunais superiores em geral fazem com que o STF tenha uma imagem negativa para parte da população brasileira. Alguns, principalmente da direita conservadora, até proclamam a solução de que deve-se fechar o supremo para que se comece a corrigir os problemas do Brasil.

Contribua com O Partisano - Catarse dO Partisano

Acontece que esse ponto de vista não vê no STF uma instituição do Judiciário com tanto viés político e corrupção quanto qualquer outro tribunal ou vara pelo país. O Poder Judiciário faz parte do poder político junto com o Executivo e o Legislativo, e não é a aprovação em um concurso público e um diploma em Direito que torna cada membro do Judiciário limpo, neutro e honesto. Os mesmos problemas encontrados nos outros dois poderes aparecem em juízes, procuradores, desembargadores e etc. Onde há poder, haverá oportunismo, egoísmo e corrupção.

Se no capitalismo é o poder econômico que prevalece sobre os poderes políticos e militar, não será apenas sobre quartéis, prefeituras e câmaras que a classe proprietária do Brasil exercerá influência, os tribunais, os órgãos do governo e a mídia também serão tentados e, as vezes forçados, a ceder às vontades dos detentores do poder econômico no cenário interno do Brasil ou no âmbito geopolítico global.

Contribua com O Partisano - Catarse dO Partisano

Por isso, a mesma desconfiança saudável que existe sobre a atuação dos políticos deve estar presente contra os membros do Judiciário, da mídia e principalmente sobre os detentores do poder econômico. Não podemos nos esquecer que elegemos os membros do Executivo e do Legislativo mas não escolhemos os membros do Judiciário e nem os pertencentes a classe proprietária do país, incluindo nesse caso, os donos de veículos de comunicação de massa.

Deixe uma resposta