O mito da casa limpíssima

“Nada me tira da cabeça que o mito da casa impecável só existe para acorrentar mulheres e pessoas de classes menos favorecidas às vassouras”

Imagem: Pyramis
por Rosa Amanda Strausz

Sei que vou mexer num vespeiro mas … Conheço poucos hábitos tão típicos de sociedades escravagistas quanto o mito da casa limpíssima. Acho que, agora, que muitos amigues já perceberam que a casa tem vida própria, que a poeira é a maior parceira da entropia, que as meias sujas não se encaminham para a máquina de lavar por livre e espontânea vontade, que a louça suja brota na pia como tivesse sido regada com o mais poderoso fertilizante, está na hora da gente começar a questionar o motivo pelo qual só nos sentimos felizes numa casa impecável.

Contribua com O Partisano - Catarse dO Partisano

Ah, sim, os japoneses, tão bem representados pela Marie Kondo, conseguem. Jura que você acredita nisso? Acha mesmo que todas as casas japonesas parecem ter sido organizadas pela Kondo? Das japonesas não posso falar. Mas conheci um monte de casas europeias. De vários países. E nenhuma delas poderia ser enquadrada na categoria de casa limpíssima.

Leia também:  Studio Ghibli e a arte de expor os anseios da sociedade

Tive um casal de amigos alemães que fazia UMA boa faxina por ano na casa. Era a limpeza da primavera. E isso rendia um monte de piadas por parte deles. Tinham encontrado o cadáver de um alce verde debaixo da cama do caçula, uma coleção completa de meias sem par nas estantes da primogênita … e por aí a coisa ia.

O fato é que manter a casa impecável consome uma quantidade enorme de horas diárias. São as horas em que você deveria estar estudando. As horas em que você poderia estar lendo um livro, ou vendo um bom filme. Ou escrevendo seu próprio livro, ou planejando seu próprio negócio.

Leia também:  Carnaval pós-pandemia: "E o mundo não se acabou..."

Nada me tira da cabeça que o mito da casa impecável só existe para acorrentar mulheres e pessoas de classes menos favorecidas às vassouras. Tenho uma amiga, de 20 anos, que se sente culpadíssima (ou incomodadíssima) quando vê uma poeirinha na casa. Ela tem um ENEM pela frente. Tem uma vida que depende do quanto conseguir estudar agora. Mas só consegue repetir: a casa da minha mãe é impecável. Eu acredito. E fico me segurando para não dizer: o tempo que sua mãe levou limpando a casa daria para ter concluído o Ensino Médio.

Leia também:  Debussy, o revolucionário

Acho que se tem uma coisa que a pandemia está ensinando para a classe média brasileira é que a casa impecável tem um custo. E esse custo é bem alto. Ele devora a vida intelectual de alguém. Se não for da sua, vai ser a de outra pessoa.

Contribua com O Partisano - Catarse dO Partisano

 

*Rosa Amanda Strausz é escritora.

Um comentário

  1. Dá pra ter a casa limpa em paralelo a outras coisas , é só questão de planejamento e organização. A opção e interpretação desses atos são pontos de vista que envolve gerações, ensinamentos socioculturais.

Deixe uma resposta