Arnaldo Jabor: cronista medíocre, ótimo cineasta

Autor de duas das melhores adaptações da obra de Nelson Rodrigues morreu nesta terça-feira (15) aos 81 anos

Foto: Ana Branco. Edição: O Partisano
por Henrique Nunes

Arnaldo Jabor é de direita. Arnaldo Jabor é de esquerda. Arnaldo Jabor é comunista! Arnaldo Jabor é fascista! As acusações de ambos os lados acompanharam boa parte da vida do carioca, morto nesta terça-feira (15) aos 81 anos.

Contribua com O Partisano - Catarse dO Partisano

Oras, mas o que era, então, Arnaldo Jabor? Mais do que tudo, um ótimo cineasta. Sua carreira como diretor, cuja estreia remete à segunda fase do Cinema Novo com o documentário Opinião Pública (1967), é ao mesmo tempo, concisa e implacável.

É dele, por exemplo, as duas melhores adaptações da obra de Nelson Rodrigues. Primeiro, levou às telas a peça Toda Nudez Será Castigada, lançada em dezembro de 1972, e que levou mais de 1 milhão de brasileiros às salas de cinema naquele ano. O filme agradou também a crítica da época que o gabaritou para vencer o Urso de Prata em Berlim — um dos festivais mais importantes da sétima arte.

Leia também:  Steve Albini: gravadoras e Spotify vendem música sem pagar músicos
Arnaldo Jabor expressa, com extraordinária riqueza de detalhes, o mundo  neurótico e desvairado da classe média carioca e, por extensão, brasileira"  - Miguel Pereira, crítico de cinema,
Cena de Toda nudez será castigada (1972), de Arnaldo Jabor

Mas quem gostou mesmo da versão de Toda Nudez para o cinema foi o próprio Nelson Rodrigues. Tanto que imediatamente cedeu os direitos do romance O Casamento para Jabor, que o lançou em 1974.

O ápice da carreira do diretor, no entanto, aconteceria em 1986, com o filme Eu sei que Vou te Amar, considerado por muitos seu melhor trabalho. O longa não só foi selecionado para a mostra principal de Cannes, onde concorreu à Palma de Ouro de Melhor Filme, como consagrou a jovem atriz Fernanda Torres, então com 20 anos, como o prêmio de melhor atriz no festival.

Leia também:  Medida Provisória é literal demais, mas ainda emociona
Jabor e Roman Polanski, cineasta francês, no Copacabana Palace em 2002 Foto: Ana Branco / Agência O Globo
Jabor e Roman Polanski, cineasta francês, em 2002 Foto: Ana Branco

Seu último trabalho para os cinemas foi Suprema Felicidade, lançado em 2010. Embora tenha se tornado jornalista na marra desde os anos 1990, seu nome passou a ganhar destaque quando se transformou em comentarista da TV Globo, criando um personagem tão provocador quanto superficial.

Amado por uns, odiado por quase todos, Jabor dava um verniz de sofisticação a opiniões enviesadas e quase sempre sem qualquer embasamento. Conquistou inimigos em todos os campos ideológicos, mas acabou ele próprio se tornando uma grande vítima da perseguição tanto da esquerda quanto da direita.

Contribua com O Partisano - Catarse dO Partisano

Suas crônicas não deixarão saudades. Seus filmes, certamente, sim.

Deixe uma resposta