Quem tem a epidemia maior? 1 milhão de contaminados no Brasil

Brasil se iguala aos países mais avançados do mundo como Reino Unido e EUA. Não na economia, mas no número de contaminados por Covid-19. Mais de 1 milhão de brasileiros foram infectados

Quem tem a epidemia maior? 1 milhão de contaminados no Brasil
Imagem: The Walking BR's
por Bibi Tavares

Se o Brasil representasse um membro da família tradicional, ele seria o tio. Aquele tiozão que, apesar de ter fracassado em sua vida profissional (com tentativas de empreender em coisas tipo paletas mexicanas), tem ótimas histórias para contar para entreter os sobrinhos enquanto bebe sua Bavaria. Com o coronavírus não foi diferente. A nação-tiozão liderada por Jair Bolsonaro fez de tudo para empreender e levar o Brasil ao mesmo patamar de países como Itália, Reino Unido e os EUA. Nesta sexta-feira (19), atingimos a marca oficial de mais de 1 milhão de infectados por Covid-19 no Brasil.

Contribua com O Partisano - Catarse dO Partisano

É realmente uma grande emoção poder dizer que o nosso lindo país tropical está em segundo lugar no ranking de contaminados. Chega a dar vontade de tomar soda cáustica no café da manhã. Biroliro realiza seu sonho de princesa e dorme de conchinha com Trump, já que nesse ranking o Brasil ficou atrás apenas dos Estados Unidos. Ah, falando em empreendedorismo, é preciso ressaltar que esse número de contaminados foi atingido com uma forcinha dos empreendedores brasileiros, que entraram de cabeça na chance de reabrirem seus comércios.

Leia também:  O fantástico mundo de Sara Winter

Mas se você achou que esse foi o único recorde do Brasil hoje, SORRY PB, mas não é. Nas últimas 24 horas, o Brasil somou 54.771 novos casos de Covid-19. Isso já era meio que o esperado tendo em vista a insistência de cErTaS pEsSoAs em irem para as ruas.

Segundo a prefeitura de São Paulo, a cidade está na chamada fase 2 – leia “feise two”, em inglês – do processo de reabertura e flexibilização da quarentena. Isso significa que os comerciantes estão autorizados para abrir “aos poucos” e com “horários diferenciados” os shoppings e comércios de rua. Isso mesmo. Shoppings. Não é de braços cruzados que se bate recordes, não é mesmo? E esses são apenas os números oficiais. Se pararmos para contar os casos subnotificados, provavelmente já passamos os norte-americanos há tempos, e com folga. Daniel Lahr, professor de Biociências da USP, afirmou ao G1 que “o Brasil está testando brutalmente menos do que deveria. Na melhor das hipóteses, 20 vezes menos do que é considerado adequado”.

Contribua com O Partisano - Catarse dO Partisano

O que dá para afirmar até agora é que faltam testes e aparelhos médicos em diversas regiões do país e, principalmente, falta uma quarentena de verdade. Até agora meia dúzia de gente com condições para tal ficou em casa o máximo que pôde, enquanto a massa teve que continuar na labuta diária correndo o risco de se contaminar, morrer, ou perder o emprego. Até onde o governo brasileiro pretende chegar com isso a gente não sabe direito, mas não dá pra negar que nenhum presidente testou tanto a imunidade de seu povo como Jair Bulbassauro.

 

Deixe uma resposta