Para Camarada Naja nota de repúdio não faz revolução. Devemos atacar!

De sequestrada e explorada até ser resgatada, conheça mais sobre esse nome promissor às eleições, cujo principal feito foi desbancar uma quadrilha de tráfico de animais silvestres

Imagem: Ekkachai
por Bibi Tavares

O reino animal brasileiro é um dos mais vastos e surpreendentes do mundo, onde convivem de forma nem tão pacífica muito gado, porcos e cobras. Uns já nasceram aqui, outros chegaram de enxeridos, é como se o Brasil fosse um eterno #PaiDePet e os filhos completamente descontrolados. Com sorte, alguns pequeninos vieram ao mundo para aplicar a justiça social, como foi o caso da Camarada Naja, responsável por picar um playboy de Brasília, cujo ofício era integrar uma rede de tráfico de animais silvestres.

Contribua com O Partisano - Catarse dO Partisano

Quando não estava traficando cobras exóticas da África e Ásia, Pedro Henrique Santos Krambeck Lehmkul era estudante de Medicina Veterinária, também conhecida como #MedVet entre alguns estudantes insuportáveis que, frustrados por não passarem em medicina, foram fazer veterinária pra estudar a desgraça de suas próprias famílias. Após a picada, o traficante de animais foi encaminhado às pressas para o hospital e, apesar de ter chegado consciente, entrou em coma logo em seguida e só acordou na quinta-feira (9). Nesta segunda-feira (13), o Nazaré Tedesco de pet recebeu altal.

Leia também:  SP estende flexibilização da quarentena e garante contaminação mais eficaz

Durante a investigação que se iniciou após Pedro Henrique dar entrada na emergência, o Batalhão da Polícia Militar Ambiental (BPMA) descobriu em um haras, cujo dono é pai de um amigo de Pedro, cerca de 16 cobras, sendo seis delas brasileiras e dez serpentes exóticas. Além disso, na casa do traficante juvenil foram encontrados indícios de que outras serpentes eram criadas no local.

No desespero de se livrarem das provas do crime, o amigo de Pedro Henrique largou a Camaradinha Naja dentro de uma caixa próximo a um shopping no Lago Sul. Os policiais que a encontraram relataram que ela estava bem e parecia até tranquila, afinal, já havia cumprido sua missão. O animal – e agora eu me refiro ao jovem picado pela cobra – não possuía qualquer autorização para criar cobras venenosas em casa, ainda segundo o Instituto Brasília Ambiental, ele mantinha uma página na internet onde publicava fotos e vídeos de cobras exóticas, contudo, a página estranhamente sumiu das redes.

Leia também:  Nova pandemia, gafanhotos e ciclones. O fim do mundo é hoje?

Quem se deu bem mesmo foi esse novo ícone sensato e nome promissor às eleições de 2022, a Camarada Naja. Procurada pela grande imprensa, Naja afirmou que já prepara um livro onde irá contar em detalhes toda essa trama, desde sua vida simples, porém feliz em seu habitat, passando por seu sequestro, deixando filhos e família aflitos, até sua grandiosa tentativa de fuga do cativeiro onde foi mantida por tanto tempo. Sob o título de “A história me absolverá”, Naja pretende mostrar ao mundo como se dialoga com burguês safado que tenta ganhar dinheiro às custas dos outros. A obra também irá contar com entrevistas exclusivas com as outras 16 cobras encontradas posteriormente à sua fuga.

Procurada por brasileiros desesperados para dar um fim ao atual governo, a Camarada Naja se pronunciou em seu twitter:

Entre ensaios fotográficos, entrevistas, autógrafos e convites para participação em eventos de marcas famosas, Naja quis deixar um recado muito claro para a esquerda brasileira, que vem enfrentando dificuldades em decidir qual método usar contra fascistas, diálogo ou porrada. Sobre isso, nossa reencarnação de Lenin afirmou:

Contribua com O Partisano - Catarse dO Partisano

É isto, #SOROridade, manxs!

Um comentário

Deixe uma resposta