Depois de colocar a mãe pra jogo, Véio da Havan vai à CPI

Defensor do tratamento precoce comprovadamente ineficaz contra a Covid, Luciano Hang vai à CPI celebrar mais de 500 mil mortes

Um retrato do tratamento precoce
por Bibi Tavares

O Véi da Havan, também conhecido pela alcunha de Luciano Hang, chegou de carro na CPI da Covid na manhã desta quarta-feira (29), mas suas bolas chegaram numa carruagem levada por Flávio Milicinaro, Jorginho Mello e Asco Nogério. Vítima da crise estética, Hang chegou trajando seu terno verde e amarelo, mostrando que não basta ser rico para se vestir como uma pessoa equilibrada.

Contribua com O Partisano - Catarse dO Partisano

Cafonices a parte, a presença do Véi da Havan nesse EP da CPI foi uma escolha muito infeliz, um erro rude de Renan Calheiros, já que ninguém mais queria dar palco para esse palhaço. Algumas pessoas podem achar exagero comparar os bolsonaristas com os nazistas, mas o papel de Luciano Hang na pandemia é notável, dado que ele usou sua grana e influência para passar por cima das medidas sanitárias e de isolamento, mesmo quando a curva de óbitos por Covid só subia. Não contente em ter protagonismo na catástrofe sanitária, Hang ainda entregou sua mãe, que havia contraído Covid, nas mãos dos pupilos de Josef Mengele, também conhecidos como médicos da Prevent Sênior.

Leia também:  Eleição: conheça os dois lados do Peru

Para quem não sabe, a Prevent Sênior atraiu todas as atenções nesta semana após denúncias de ex-funcionários da rede afirmarem terem que seguir protocolos duvidosos, como aplicar remédios comprovadamente ineficazes nas vítimas de Covid, desligar oxigênio e fazer testes não autorizados com os pacientes. Sim, isso são sinais de eugenia de uma empresa com estreitas relações com Jair Bolsonaro.

Contribua com O Partisano - Catarse dO Partisano

O governo pode não estar batendo na porta de cada opositor ainda, arrastando mulheres, homens e crianças pelos cabelos para dentro de caminhões sem destino e levando para salinhas escuras e intimidantes, o modus operandi pode ainda não ser uma cópia fiel do nazismo, mas a vontade que essas pessoas têm de emular o terror nazista é tanta que é possível se tornar realidade. Dia-a-dia Bolsonaro e seu séquito doentio cria as condições para isso e subestimar esses louquinhos, como o próprio Véi da Havan, pode ser um erro rude, afinal, o cara entregou a própria mãe pra jogo.

Leia também:  Bolsonaro não levou chifre, foi tudo parte de um acordo; entenda

 

Deixe uma resposta